terça-feira, 11 de agosto de 2009

PECADO

Devasta forma de amar, de ve-lo despido
da solidão, nos meus braços desenha o desejo
dos teus sonhos, entregar-te a mim... sem censura,
na neblina da madruga gemes o amor...,
que arquitetou para nossas almas...,
cicatriz, camada mais profunda da alma, o grito do valente pela perda de um desconhecido,
... o amor...,
que nos amolou no calvario do engano, das mentiras, traições escarlates.
Jurastes falsamente ao meu intropsecto o seu verdadeiro sentimento, mas
o verdadeiro, não sabiamos, era a mentira personificada no sussurar
de amor inacabado, recoberto pelo pecado do ser impossivel.
Devastos por nós mesmos, masturbamos nossos sentimentos,
na preconização de um amor eterno!
mente devassa mente.


Enedir

03/02/1970
Perdida nas madrugadas do meu recanto....do meu desencontro

2 comentários:

Jαnαínα. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jαnαínα disse...

"o grito do valente pela perda de um desconhecido" melhor parte :D